Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Dicas de como proteger os animais de estimação de fogos de artifício e rojões

O barulho de fogos de artifício e rojões em dias de festas e jogos de futebol, especialmente em finais de campeonatos, pode ser perigoso para cães e gatos. Esses animais têm uma audição bastante sensível, com potência em até seis vezes superior à audição dos humanos, por isso, com o barulho, eles podem se colocar em situações de perigo em decorrência de susto ou medo por não entenderem o que está acontecendo. Diante disso, companhia, casa, locais fechados, esconderijos, protetores auriculares são alguns itens que ajudam a evitar o estresse dos animais de estimação em situações de fogos de artifício.

Segundo veterinários, a melhor opção para se evitar transtornos é a prevenção, a providência de um ambiente tranquilo para eles, mediante possíveis barulhos como esses, ou deixar os animais de estimação soltos para que possam procurar local em que se sintam seguros.

A providência de abrigo seguro começa pela análise do local em que o animal irá ficar, para que ele não se machuque durante a queima dos fogos. Dessa forma, cães e gatos devem ficar em ambientes livres de grades em que possam se ferir e também sem coleiras para evitar enforcamento.

De acordo com a veterinária Fernanda Kerr, da ONG Arca Brasil, a tendência de animais que se sentem com medo, é tentar fugir para um lugar em que se sintam mais protegidos e, se estiverem sozinhos, em casa, tendem a sair em busca de seus donos e, em apartamentos, há o risco de caírem da varanda ao tentarem fugir.

Por causa disso, o ideal é não deixar o animal de estimação sozinho, principalmente, em caso de ele já apresentar um histórico de medo. Outra alternativa, estando em casa, é tentar abafar a entrada do som dos fogos. Colocar cobertores nas janelas e nas portas pode ajudar nesse objetivo.

Em caso de animais que ficam em quintais, estes devem, se possível, ser levados para dentro de casa e mantidos sem correntes ou coleiras. Eles podem se ferir no momento de medo. A escolha de um cômodo que possa ficar fechado, isolado na casa e com pouca interferência do barulho de ambientes externos ajuda nesse caso. Para isso é ideal deixar que o animal procure um local da casa em que se sinta protegido.

Para os donos de gatos, uma opção é deixar armários com as portas abertas para que eles encontrem espaços tranquilos onde se esconder. Cães também costumam ficam embaixo de camas. Deixe-os escondidos e não tente tirá-los do local escolhido. Além disso, protetores de ouvido, feitos de algodão parafinado, podem ser boas opções, mas causam desconforto para alguns animais.

Diante dessas opções, a melhor é propiciar um ambiente tranquilo na hora da queima de fogos. Evitar passar a tensão para o animal também ajuda. Há donos que colocam os animais de estimação no colo e ficam nervosos com a possibilidade do estresse deles e só acabam intensificando o medo do animal.

Alguns animais ainda mais frágeis do que cães e gatos, como pássaros e animais silvestres, chegam a morrer em razão dos fogos, devido a paradas cardiorrespiratórias. Por isso, os pássaros devem ficar, de preferência, em locais cobertos e onde o som seja abafado.

Fonte: G1

Adaptação: Revista Veterinária

Conheça o Curso de Cirurgias em Pequenos Animais!

     

Áreas

Artigos

Pequenos Animais

ULTRASSOM VETERINÁRIO: 10 Técnicas de Diagnóstico em Pequenos Animais
Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.