Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

As consequências das micotoxinas tricotecenos

As micotoxinas são compostos que podem provocar as micotoxicoses, que  são doenças ou alterações no homem e nos animais provocadas por micotoxinas.

As micotoxinas  são compostos policetônicos resultantes das reações de condensação que ocorrem quando, em determinadas condições físicas, químicas e biológicas, se interrompe a redução dos grupos de cetona no processo de biosíntese dos ácidos gordos realizada pelos bolores.

Esses compostos policetônicos podem-se formar no final da fase de maior importância ou no início da fase em que o crescimento do bolor não evolui.

Os tricotecenos são micotoxinas que exercem um grande impacto  na situação gastrintestinal dos animais. Além disso, afetam o sistema nervoso, o sistema circulatório e a pele e induzem a supressão das reações imunitárias do organismo animal, neste caso.

Os sintomas relacionados às micotoxinas de tricotecenos dependem da espécie animal, mas, geralmente, são: vômitos, taquicardia, diarréia; hemorragias, edemas e necroses dos tecidos cutâneos; hemorragias da mucosa epitelial do estômago e do intestino; destruição de tecidos hematopoiéticos;  diminuição dos glóbulos brancos e plaquetas circulantes; meninges hemorrágicas (cérebro); alterações do sistema nervoso; rejeição do alimento; lesões necróticas em diferentes regiões da boca e degeneração das células da medula óssea, dos nódulos linfáticos e lesões intestinais.

Dentre os derivados de micotoxinas tricotecenos que se encontram mais como contaminantes naturais, e que têm maior impacto nos animais, estão a toxina T-2 (T-2) e o diacetoxiscirpenol (DAS). Esses dois tipos pertencem ao grupo A da família de micotoxinas tricotecenos e podem ser encontrados como contaminantes naturais dos cereais milho, cevada, sorgo, aveia, trigo, arroz, centeio e seus respectivos subprodutos.

  Fonte: Engormix Adaptação: Revista Veterinária  

Conheça o Curso de Formulação de Dietas e Rações para Bovinos!

   

Áreas

Curiosidades

Notícias

Saúde Pública

Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.