Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Antifúngicos: fármacos para o tratamento de afecções neurológicas de cães e gatos

Contra as doenças causadas por fungos que atingem as funções neurológicas de cães e gatos, não existe um acervo de fármacos veterinários suficientes para atender as demandas, além de poucos estudos documentados sobre a eficácia do tratamento nessas infecções.

Meningoencefalites e Discoespondilites fúngicas são identificadas em pequenos animais e a saída para o tratamento dessas afecções é a busca por resultados relacionados medicina humana.

Tratar as infecções fúngicas do sistema nervoso central (SNC) de cães e gatos é difícil. Anfotericina B, flucitosina, cetoconazol, itraconazol e fluconazol, são os medicamentos disponíveis para o tratamento, que deve ser realizado por pelo menos seis semanas após remissão dos sinais clínicos.

Mesmo sendo absorvida fracamente pelo tecido nervoso de pequenos animais, a anfotericina B é utilizada com frequência no tratamento das infecções fúngicas sistêmicas, devendo monitorar o paciente quanto a sua nefrotoxicidade, vômito, tremores e anorexia.

Combinar fármacos pode ser benéfico a tratamentos. A anfotericina B, cetoconazol e flucitosina, são os principais agentes utilizados. A terapia com cetoconazol em dose elevada e por longo período foi considerada efetiva no tratamento de criptococose em gatos.

Fluconazol e itraconazol, exemplos de imidazóis, podem ser eficazes no tratamento de infecções fúngicas do SNC, pois o itraconazol é altamente lipofílico e atinge altas concentrações nos tecidos, e o fluconazol é seu espectro de ação similar mais comumente utilizado no tratamento de meningoencefalite fúngica.

Fonte: Revista Semina

Adaptação: Revista Veterinária

Conheça o Curso de Farmacologia Clínica em Pequenos Animais

   

Artigos

Pequenos Animais

ULTRASSOM VETERINÁRIO: 10 Técnicas de Diagnóstico em Pequenos Animais
Deixe seu comentário:

Comentários

  • Yara Rodrigues - 19:01:27 09/11/2015

    Tenho uma Golden Retrievers de 8 anos. Até os 6 anos ela tinha uma saúde normal. Dos 6 aos 7 anos ela começou com uma coceira intensa. Levei á dermatologista que receitou um shampoo com uréia, etc e não receitou antibiótico. Levei em mais uns 3 veterinários. Tomou cetaconazol, amoxilina com clavulanato, predinisona sempre intercalando, pois a coceira a fazia se ferir; banhos diários com sabonete prá sarna, exames de sangue, shampoos cloxfenicol, sempre tosada. Tomou banho com produtos fortes pra sarna, comeu royal canin hipoalergênicos, arroz com peixe, etc.... UMelhoras, pioras, e agora o cheiro forte de infecção voltou , a descamação também. Estou dando irracional e o cheiro ruim sumiu. A coceira continua. Ah ela usa um condicionador manipulado. Falaram que ela tem alergia a tudo. O que faço?

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.