Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Conheça os tipos de anestesiologias usadas em pequenos animais

Anestesiologia é o estudo das anestesias, denominaçao genérica para drogas capazes de suprimir temporariamente a dor.

Por muitos anos, antes de se ter por concreto o uso da anestesiologia, ela era comentada como magia ou utilização de ervas medicinais que provocavam analgesia e adormecimento. Esta arte foi descrita por alquimistas, boticários, mas só tomou importância real quando o dentista Horace Wells começou a utilizar um gás, o qual deu o nome de óxido nitroso, em extrações dentárias. Mas devido à sua má utilização decorrente de baixa pesquisa na área, Wells entrou em depressão e suicidou-se em uma prisão em Nova York em 1848, não tendo a felicidade de presenciar o sucesso obtido por ser considerado um dos fundadores da anestesiologia, pouco tempo depois. Morton, seu amigo, foi quem conseguiu, em outubro de 1846, em um hospital nos EUA, fazer uma demosntração pública com o éter.

Desde então, a anestesiologia vem sendo um desafio e um largo campo de pesquisa para profissionais e cientistas da área, uma vez que se faz indispensável o conhecimento minucioso da droga, incluindo farmacodinâmica e  farmacocinética da mesma, equipamentos e formas de administração, para que haja o efeito desejado, durante o período desejado, sem que o animal corra risco de vida  durante o procedimento cirúrgico.

O tipo de anestesia a ser utilizado deve ser escolhido pelo médico veterinário levando em consideração vários fatores, como tipo de cirurgia e nível invasivo da mesma, estado do paciente, tempo anestésico requerido, idade do animal, espécie e tipo de monitoramento disponível.

Os principais tipos de anestesia são: geral, local, dissociativa e neuroleptoanalgesia. Anestésico geral é todo fármaco que provocam perda da consciência ou sono artificial, com relaxamento muscular ligado a ausência de reação de defesa contra uma agressão. Já o local, como o próprio nome já diz, tem sua atuação em uma determinada área do corpo do animal, onde se é aplicado, fazendo o bloqueio reversível dos impulsos nervosos aferentes. A anestesia dissociativa já é um pouco mais "forte", uma vez que atua na dissociação do córtex cerebral, causando analgesia e "desligamento" do paciente, sem perda dos reflexos protetores. Por último, a neuroleptoanalgesia é caracterizada por todas as substâncias anestésicas capazes de causar sonolência sem que se haja perda da consciência.

Além de serem divididas nesses quatro grandes grupos, há uma variação de substâncias compreendidas em cada um deles, oferecendo riscos e efeitos diversos. Devido a importancia e responsabilidade atribuída a quem irá administrar a medicação anestésia, é indicado disponibilizar um profissional para executar apenas essa tarefa, que inclui desde avaliação e escolha do método e medicação utilizada até a administração e monitoramento do animal durante o procedimento cirúrgico, mas na medicina veterinária ainda não segue essa cultura, pois na maioria das vezes  não há mão de obra suficiente, tornando esta  tarefa conciliada entre cirurgião e auxiliar.

Fontes : EBAH

Adaptação: Revista Veterinária

   

Conheça o Curso de Anestesias em Pequenos Animais

   

Notícias

Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.