Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Dermatomicose em animais

Os fungos parasitas chamados de dermatófitos provoca infecção do tipo dermatomicose, também conhecida como "tinha" ou tricofitose.

Os animais domésticos e os humanos mantém um relacionamento estreito, devido a isso as dermatomicoses dos animais domésticos constituem zoonoses importantes, dada a alta infectividade observada nesses processos.

Nos locais de clima tropical e temperado é mais comum à doença, principalmente em regiões quentes e úmidas.  Ela acomete diversas espécies de animais, como os bovinos, equinos, ovinos, suínos, cães, gatos, aves, animais silvestres e o homem.

A dermatomicose é uma infecção nas partes superficiais do corpo, o que não leva a grandes prejuízos econômicos no caso de animais infectados.  No entanto, a agitação devido ao prurido provocado por ela, resulta em queda no ganho de peso dos animais.

O contato direto entre os animais infectados e os sadios é a forma mais comum de contaminação, que pode ocorrer também pelo contato com os esporos dos fungos que podem estar presentes em diversos locais, como cercas, cochos e postes.

O estabelecimento do fungo é favorecido por lesões previas, o fungo provoca lesão no extrato queratinizado. Quando há a quebra da relação hospedeiro-parasita, ocorrem manifestações clínicas, como alopecia, eritema, exudação, calor e descamação da pele devido à produção de toxinas e alérgenos. O processo inflamatório tende a destruir o fungo, que procurará melhores condições de desenvolvimento nos bordos da lesão. Assim, após novo período de irritação e de inflamação, novo deslocamento irá ocorrer para a periferia, dando às lesões aspecto de círculos definidos de alopecia e descamação.

As manifestações clínicas ocorrem geralmente na cabeça, pescoço e períneo e, caso não seja iniciado um tratamento adequado, pode se alastrar para outras regiões do corpo. O período de incubação pode variar de uma a quatro semanas. As lesões se caracterizam por serem circulares, circunscritas, com diâmetro variando de 1 a 3 centímetros, podendo estar sem pelos ou com a presença de uma crosta acinzentada ou amarronzada. Inicialmente, a superfície abaixo da crosta apresenta-se úmida e hemorrágica, mas após as crostas caírem à lesão apresenta-se seca e sem pelos.

Para o diagnóstico geralmente, apenas os achados clínicos são suficientes. A confirmação pode ser feita através de exames laboratoriais, como: raspado, biópsia ou cultura da pele.

Para tratar as lesões geralmente os médicos veterinários prescrevem medicamentos de uso tópico.

A pulverização ou banhos de fungicidas é o mais recomendado para os casos onde um grande número de animais foi afetado, como nos rebanhos. Os animais precisam ser isolados e o ambiente e os utensílios utilizados no manejo dos animais em questão devem passar por uma desinfecção. Para minimizar as ações dos esporos uma boa ventilação e insolação também contribuem.

Fonte: Info Escola

Autor(a): Débora  Carvalho Meldau

Adaptação: Revista Veterinária

Curso de Dermatologia em Pequenos Animais

   

Notícias

Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.