Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Gripe felina

A Rinotraqueíte felina é uma doença viral extremamente frequente, que acomete os gatos domésticos e felídeos selvagens, sendo que os sintomas mais frequentes são: espirros, febre, rinite e conjuntivite; o animal fica babando (é, por esse sintoma, às vezes confundida com a raiva) devido à presença de lesões ulcerativas (aftas) na boca, língua e lábios que causam muita dor e impedem o gato de comer. Esta doença é causada pelo herpesvírus felino e a maioria dos gatos que se recuperam da infecção tornam-se portadores assintomáticos, ou seja, eles albergam o vírus no organismo de forma latente e podem eliminá-lo no ambiente, associado ou não a sinais clínicos.

Em casas onde há muitos gatos ou instituições que abrigam esses animais, são mais suscetíveis ao aparecimento da doença, já que a transmissão ocorre de um animal para outro através da saliva e contato com secreções.

Os animais de todas as idades podem ser acometidos, porém os filhotes são mais suscetíveis. Inicialmente o gatinho começa a espirrar com liberação de secreção nasal, com a evolução do quadro ele passa a apresentar corrimento ocular, falta de apetite e febre. A doença pode ser fatal para filhotes e animais debilitados.

As infecções bacterianas secundárias, que atribuem à doença um caráter crônico são um grande complicador da patologia.

O diagnóstico é feito com base nos sintomas e testes laboratoriais específicos.

O tratamento é feito com administração de antibióticos e terapia de suporte, isto é, suporte nutricional e hídrico adequado. O tratamento deve ser instituído logo nos primeiros sintomas, principalmente para aliviar a dor causada pelas aftas para que o gato não pare de se alimentar. Os gatos acometidos devem ficar isolados, em quarentena, para evitar a transmissão para animais saudáveis.

O prognóstico, de maneira geral é favorável, desde que siga o tratamento corretamente, com terapia nutricional adequada.

A prevenção continua sendo o melhor tratamento, por isso é fundamental que o proprietário do animal vacine seu filhote a partir de oito semanas de vida, e siga o protocolo de reforço estipulado pelo veterinário. A vacinação deve continuar no animal adulto, com reforços anuais. Para quem for adotar um gato novo, o recomendado é não colocar o animal junto com os gatos da casa sem antes levá-lo ao veterinário para fazer uma avaliação.

Fonte: Cães e Gatos

Adaptação: Revista Veterinária

Conheça o Curso de Medicina Felina

     

Artigos

Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.