Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Cólica equina e o uso da laparotomia (manobra cirúrgica)

A cólica ou abdome agudo equino, é um quadro clínico frequente e desafiador, cercado de muitos mitos. As causas de cólica são as mais diversas e oferecem ao médico veterinário um desafio para seu diagnóstico etiológico. Pela gravidade de algumas causas, a precocidade no atendimento é fundamental para um tratamento efetivo.

De acordo com o professor do CPT Cursos Presenciais, André Lang, a cólica equina é uma situação de dor abdominal que pode acometer os cavalos. Apesar de ser um conceito bastante simples, pode ser causada por alterações graves que ameaçam a sobrevivência do animal.

Qualquer dor abdominal recebe o nome de cólica, o que é muito comum quando se fala de equinos, uma vez que são animais extremamente sensíveis, principalmente à alimentação. Uma das causas mais frequentes deste tipo de problema é a cólica por compactação, que é definida por uma obstrução parcial ou total do intestino, ocorrida em qualquer trecho do cólon maior. Essa obstrução se dá pelo ressecamento da ingestão e consequente compactação da matéria.

André Lang alerta para o fato de que a cólica pode ter diversas origens. Algumas causas são banais e se resolvem com tratamentos simples, outras podem levar a graves lesões intestinais e absorção de toxinas ou até mesmo ruptura do intestino causando a morte do cavalo. O maior problema é que os sinais clínicos são semelhantes nos casos simples e nos graves.

Algumas cólicas são simples e podem ser curadas sem muito trabalho e com baixo custo. Outras podem ter causas graves e o animal só terá chances de sobrevivência se o atendimento for rápido e eficiente. Só um Médico Veterinário tem conhecimento para diferenciá-las. O tratamento, se com medicamentos ou cirúrgico, é de competência do médico veterinário avaliar, de acordo com cada caso.

A execução de cirurgias abdominais em equinos com ampla margem de segurança foi possibilitada com o advento de novas técnicas anestésicas e o desenvolvimento de técnicas cirúrgicas.

Na terapêutica das crises abdominais a laparotomia em equinos é o último recurso a ser adotado, mas é o primeiro a ser indicado, quando o diagnóstico definitivo presume a correção cirúrgica. A palpação retal é de suma importância, tanto para o diagnóstico como para orientar ao cirurgião no acesso cirúrgico.

A laparotomia é uma manobra cirúrgica que envolve uma incisão através da parede abdominal para aceder à cavidade abdominal. As vantagens da laparotomia é que ela não modifica a topografia dos órgãos pelo decúbito; possibilita o acesso às vísceras do lado do abdômen onde é executada e permite a manipulação parcial do intestino delgado, cólon menor, cólons dorsal e ventral esquerdo e algumas vísceras situadas no lado oposto quando o ceco está vazio.

A laparotomia é um evento importante, mas nem sempre presente durante o processo de aprendizado e formação do médico veterinário, as laparotomias e inspeção direta de vísceras abdominais, são uma forma extremamente efetiva de aprendizado. A exploração cirúrgica proporciona de maneira única ao aluno a compreensão exata de diferentes eventos que podem estar presentes nos quadros de abdome agudo, bem como as possibilidades de tratamentos.

Fonte: CPT Cursos Presenciais

Adaptação: Revista Veterinária

Conheça o Curso Avançado de Cólica Equina com Laparotomias (Módulo II)

 

 

Notícias

Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.