Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Saiba mais sobre problemas odontológicos em equinos

Na criação equina os cuidados com os dentes devem ser considerados, tendo em vista que, os equinos passam em torno de 18 horas por dia se alimentando. Assim, quando os alimentos são bem triturados há uma melhor aproveitamento dos nutrientes, em consequência temos melhor desempenho esportivo e de trabalho, desenvolvendo a fisiologia animal.

 Dentre as doenças que afetam a arcaria dentaria dos equinos temos o dente de lobo, a ponta dentaria, a retenção da capa e problemas com os dentes caninos.

Os dentes de lobo são causadores de muitos problemas comportamentais nos equinos e por interferir com o bridão, os dentes são geralmente extraídos por não terem proveito. Podem ser extraídos mesmo se estiverem localizados por baixo da gengiva, e antes da fase de doma pois, o dente de lobo pode causar as mais diversas reações. Alguns animais relutam com a cabeça de um lado ao outro, outros negam a virar para um dos lados e as vezes para ambos os lados, uns balançam a cabeça para baixo e para cima, alguns empinam e até caem de costas, outros dão puxões fortes  nas rédeas, tem cavalo que dispara e o outro não da um passo à frente, outros não fazem curva. Esses dentes devem ser extraídos apenas pro profissionais.

A ponta dentaria se caracteriza pelo crescimento de estruturas pontudas nos dentes dos animais, comumente chamadas de "pontas de esmalte", por serem alongamentos do esmalte que protege os dentes. Essas pontas também podem ser formadas por cemento e dentina. A ponta dentaria cresce nas bordas laterais dos pré-molares e molares  maxilares e nas bordas mediais (linguais) dos  pré-molares e molares  mandibulares, podendo causar laceração das bochechas e da língua durante a mastigação. Com isso os tecidos moles são machucados e os dentes deslocados, causando adoença periodontal, que resulta na perda de comida em pequenas quantidades durante a mastigação, a essa perda damos o nome de disfagia. Os equinos se alimentam em menor quantidade causando vários danos à sua saúde.

Na retenção da capa há restos dos pré-molares decíduos, as capas, podem ocorrer nos equinos entre dois e quatro anos e meio de idade, idade em que geralmente os dentes deveriam cair, e nascer os permanentes. Os dentes deciduais causam desconforto na hora da alimentação e devem ser extraídos, quando não há a troca natural pelos permanentes.

Os problemas com os dentes caninos encontram-se na anatomia, razão pela qual há o acúmulo de cálculos, nos caninos inferiores posicionados mais rostralmente. O tártaro não constitui um fator importante de predisposição à doença periodontal, mas causa gengivite e ulceração dos lábios. Os cálculos podem ser removidos usando materiais adequados, quando ocorrer à perda do dente, o mesmo deverá ser arrancado, evitando contaminação. Nos caninos deslocados ou muito grandes deve ser feita a diminuição pois, esses interferem na mordida.

O produtor deve fazer todo um trabalho de cuidado e prevenção e, quando surgir algum problema o profissional responsável deverá ser chamado evitando maiores danos e sofrimentos aos animais.

Como realizar um exame odontológico?

Qual a importância da odontologia na equideocultura?

Produtos e Equipamentos para equinos. Confira.

Fonte: Pra se Falar de Cavalos

Adaptação: Revista Veterinária

Conheça o Curso de Odontologia Equina

       

Notícias

Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.