Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Azotemia x Uremia

Azotemia é a alteração bioquímica caracterizada laboratorialmente pela elevação sanguínea de compostos nitrogenados não proteicos (ureia e creatinina, normalmente eliminados pelos rins) por diminuição da taxa de filtração glomerular e consequente redução na excreção urinária desses compostos. É detectada quando há perda funcional de aproximadamente 66 a 75% da capacidade funcional dos néfrons. As causas de azotemia podem ser de origem pré-renal, renal ou pós-renal.

Alguns fatores pré-renais causam azotemia por diminuição do fluxo sanguíneo aos rins, como desidratação, hipotensão e insuficiência cardíaca, podendo resultar em alteração óbvia da função renal que rapidamente é revertida por meio de fluidoterapia.

Alterações hemodinâmicas intra-renais, como constrição de arteríolas aferentes, podem estar presentes sem a presença de sinais clínicos, sendo de difícil diagnóstico.

Fatores pós-renais, como obstruções renais, ureterais, vesicais ou uretrais e/ou extravasamento urinário para o interior da cavidade abdominal, geralmente são detectados clinicamente, sendo solucionados após a desobstrução e correção clínico-cirúrgica, respectivamente.

O paciente, sem sinais clínicos, mas com elevação da concentração sanguínea de compostos nitrogenados não proteicos é considerado azotêmico e não urêmico.

Uremia, por sua vez, é a manifestação clínica de severa azotemia, ou seja, ocorre quando os sinais da insuficiência renal estão presentes em um paciente azotêmico. Os sinais clínicos associados à uremia incluem anorexia, vômito, diarreia, hemorragia gastrointestinal, estomatites ulcerativas, letargia, tremores musculares, convulsões, coma, hipertensão, perda de peso e hálito com odor amoniacal.

Insuficiência renal designa quadros em que há perda irreversível de função renal, mas que ainda há tentativa de compensação por meio da reserva funcional dos rins, enquanto que a falência renal retrata a disfunção máxima do órgão.

 

Os exames laboratoriais realizados em pequenos animais auxiliam no diagnóstico da insuficiência renal. Atualiza-se. Clique aqui.

Fonte: Tathiana Mourão dos Anjos (ANJOS, T.M.) Professora dos cursos: Nefrologia e Urologia em Pequenos Animais e Medicina Felina (CPT Cursos Presenciais).

Artigos

Clínica Cirúrgica

Clínica Médica

Notícias

Pequenos Animais

ULTRASSOM VETERINÁRIO: 10 Técnicas de Diagnóstico em Pequenos Animais
Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.