Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Dermatofitose em gatos domésticos

Aposto que você já ouviu falar nesse nome “dermatofitose”, não é mesmo?

Muito comum nos casos de atendimentos dermatológicos em clínicas e hospitais veterinários de pequenos animais, a dermatofitose é considera uma doença altamente contagiosa e mais conhecida como micose.

Essa enfermidade é uma infecção fúngica que afeta diretamente a pele, unhas e os pelos do animal, sendo causada pelas espécies do género Microsporum, Trichophyton e Epidermophyton.

Gatos de pelagem comprida sofrem com esse problema pelo fato de ter uma maior dificuldade de remoção dos esporos do fungo durante a higiene diária.

Em alguns casos cães também são vítimas da dermatofitose, mas os felinos ainda se encontram bem mais propícios a desenvolveram a doença.

Fatores que favorecem o desenvolvimento da dermatofitose em gatos

- Estresse;

- Doenças prévias ou parasitas;

- Sistema de defesas baixo (imunológico);

- Ambiente (constante umidade e falta de luz solar);

- Falta de higiene e até mesmo a nutrição.

Principais sinais da dermatofitose em gatos

Os sinais em relação à enfermidade são bem visíveis e podem ser percebidos facilmente.

O animal inicialmente irá lamber, coçar e morder com  frequência os locais afetados, o que facilita a propagação do problema pelo resto do corpo.

A apresentação clínica mais comum  inclui descamação e a alopécia em volta do focinho, orelhas e membros anteriores, onde se apresentam em forma de anel vermelho no local afetado pelo fungo.

Quando afeta as unhas do animal, elas ficam com aparência quebradiça e algumas chegam a lascar, esse sinal é conhecido como onicomicose.

Esse tipo de dermatite tem tratamento?

Sim. A dermatofitose possui tratamento, mas para chegar a uma conclusão viável o medico veterinário deve realizar uma bateria de exames para garantir com eficiência o sucesso do processo, levando em consideração os seguintes fatores:

- Grau da enfermidade;

- Idade do gato;

- Outras doenças e parasitas possíveis;

- Estado do seu sistema imune;

- Risco de alergias a medicamentos.

3 dicas para prevenção

- Higienização do ambiente onde o animal permanece por mais tempo;

- Banhos com shampoo anti-fúngico específico;

- Escovação e corte do pelo do animal ajuda a eliminar as esporas dos fungos.

Quer ficar ainda mais por dentro de curiosidades do mundo felino?

Confira esse conteúdo: Síndrome do Gato Nervoso

Você, médico veterinário se identificou com a área da dermatologia e tem interesse em ampliar seu conhecimento?

Nós trouxemos para você conferir uma grande oportunidade de capacitação na área: Dermatologia na Clínica de Pequenos Animais

E ainda tem um bônus para você na área de diagnósticos.

Olha só: 10 Técnicas de Diagnóstico em Pequenos Animais

Fonte: Perito Animal

Áreas

Artigos

Clínica Médica

Curiosidades

Cursos

Destaques

Notícias

Parceiros

Pequenos Animais

Para você que quer ser um expert em Cardiologia Veterinária: Este é o caminho do sucesso!
Deixe seu comentário:

Comentários

Esta publicação não possui comentários.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.