Aumente seu conhecimento no mundo Veterinário

Junte-se a milhares de apaixonados por animais. Receba gratuitamente nossas dicas para o seu sucesso.



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Você já ouviu falar da sarna demodécica em cães? Veja aqui alguns detalhes sobre a enfermidade

A sarna demodécica, também conhecida como sarna negra ou demodecicose, é uma das doenças cutâneas mais comuns em cães. Ela é uma dermatopatia parasitária inflamatória, causada pela super população do ácaro Demodex Canis.

Esses ácaros são considerados normais e fazem parte da fauna natural presente na pele de todos os cachorros. Eles produzem a doença apenas quando há uma anormalidade no sistema imunológico que ocasiona um número fora do controle.

Alguns cães já nascem predispostos ao desenvolvimento da doença, mas existem alguns fatores que podem contribuir, como por exemplo:

- Nutrição inadequada;

- Estresse;

- Endoparasitoses;

- Enfermidades debilitantes;

- Imunossupressão medicamentos;

- Alterações endócrinas em fêmeas durante o ciclo estral.

Tipos de sarna demodécica

A doença, que tem duas formas clínicas de se apresentar, a juvenil que se desenvolve em cães mais novos geralmente com suscetibilidade genética e a adulta que ocorre em animais com idade mais avançada e com imunossupressão.

Essa enfermidade ainda é classificada de duas formas:

Localizada: Nesse caso as lesões ocupam áreas reduzidas e descontinuadas. Primordialmente, na cabeça, pescoço ou membros anteriores.

Generalizada: Geralmente, esse tipo é raro em adultos. É a forma mais grave e se apresenta como uma dermatite crônica que cobre várias partes do corpo. Ela ocasiona descamação, formação de crostas, hiperpigmentação, piodermite severa e alopécia.

Os sinais clínicos associados mais comuns são a perda de pelo e a vermelhidão da pele.

Raças mais suscetíveis a Sarna Demodécica

Algumas raças apresentam mais a doença, se comparado às outras, provavelmente pelo cruzamento sem cuidado em especial os cães de pelo curto, são elas:

- Bulldog Francês e Inglês

- Pastor Alemão

- Yorkshire

- Pinscher

- Cocker Spaniel

- Boxer

- Beagle

- Bull Terrier

- Shar Pei

- Pug

Tratamento e Diagnóstico da Sarna Demodécica

Para diagnosticar a enfermidade, o médico veterinário deve realizar a raspagem da pele afetada e realizar a biópsia. Para o tratamento é utilizado uma medicação tópica e banhos especiais.

Tratar a doença não evita que ela se torne generalizada, por isso o cão deve ser examinado novamente em quatro semanas.

E você, médico veterinário, já atendeu algum paciente com sarna demodécica?

Atendimentos clínicos dermatológicos são cada vez mais comuns na rotina de hospitais e clínicas veterinárias. Esteja preparado para diagnosticar e tratar essas e outras doenças:

Principais técnicas da dermatologia em pequenos animais

Fonte: Tudo sobre Cachorros

 

Cursos

Destaques

Notícias

Parceiros

Pequenos Animais

Para você que quer ser um expert em Cardiologia Veterinária: Este é o caminho do sucesso!
Deixe seu comentário:

Comentários

  • KIKA - 15:45:32 01/03/2018

    HOJE só tenho à agradecer por tudo o que eu li aqui nessa página...minha cachorra está sofrendo há um ano com Dermodicose, e eu só fui ENTENDER E APRENDER sobre essa doença aqui agora com vocês. Já passei por três veterinários, um deles realmente me passou a cefalexina, mas depois de dois meses, a doença retornava mais forte...um deles me passou o corticoide e li aqui que isso prejudica ainda mais o animal...enfim: agora consegui entender o que ela tem, e a melhor forma de tratar...obrigado.
  • Amonimo - 21:01:19 18/10/2015

    Oi anda está funcionando?

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado.

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos para se destacar no mercado
(Campos com * são obrigatórios)

Conecte-se ao mundo Veterinário gratuitamente!



Prometemos não utilizar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.
Sites relacionados
Revista Agropecuária Revista Veterinária Portal Suínos e Aves Tecnologia e Florestas
© 2018 Revista Veterinária. Todos os Direitos Reservados.