É hora de saber mais sobre anestesia em pequenos animais!

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

  Os procedimentos cirúrgicos têm crescido cada vez mais e a anestesia em pequenos animais foi se aperfeiçoando para acompanhar esta demanda. A técnica está relacionada com a condição de bloqueio da sensibilidade e da dor por um determinado período de tempo. Desta forma, é possível que o animal seja submetido a cirurgias ou outros procedimentos de forma que o seu bem-estar seja preservado.

A anestesiologia é uma especialidade muito importante e cheia de particularidades que a torna completa e, ao mesmo tempo, complexa. Abrange muitas áreas e o médico veterinário precisa conhecer a fundo sobre a medicina interna. Afinal, a anestesia pode ser aplicada antes de um procedimento mais simples, como uma extração de um dente, indo até procedimentos mais complexos, como uma cesárea.

De maneira geral, a anestesia nada mais é do que o fármaco responsável por eliminar  a dor do paciente por um determinado período de tempo. O grande desafio do médico veterinário é optar pela anestesia balanceada e mais adequada para cada animal. Afinal, os pets possuem características individuais que devem ser levadas em consideração na hora de escolher o melhor fármaco.

Pensando nessas particularidades, preparamos este super artigo onde você vai encontrar informações importantes sobre os diferentes tipos de anestesias e os cuidados importantes que não podem ser negligenciados. Boa leitura!

Cuidados no pré-operatório

No período pré-operatório é fundamental estar atento e estabelecer algumas condições a respeito do risco anestésico potencial. A avaliação pré-anestésica deve proporcionar informações que ajudem a identificar a presença de possíveis anomalias nos sistemas orgânicos. Além disso, é preciso estabelecer a gravidade do problema para, então, optar pelo protocolo anestésico mais adequado às debilidades apresentadas pelo animal.

O histórico clínico do paciente traz informações importantes, que devem ser avaliadas em conjunto com os exames laboratoriais e por meio de diagnósticos complementares. Algumas características dos animais dizem muito a respeito do tipo e quantidade de anestésico utilizado.

Tipos de anestesias  

Apesar de existirem diversos tipos de anestesias, de maneira geral, elas são classificadas em dois grupos. A anestesia em cães e gatos pode ser inalatória ou injetável, geral ou local.

Anestesia geral: a aplicação do medicamento provoca perda de consciência no animal. Uma espécie de sono artificial, faz com que o mesmo perca temporariamente a percepção dolorosa. A técnica é muito usada em cirurgias ortopédicas, castração e amputação dos membros.

Anestesia local: ocorre a administração de medicamentos com o objetivo de promover o bloqueio dos impulsos nervosos do local a ser operado. Desta forma, o animal não fica completamente inconsciente. Perde apenas a sensibilidade a dor e mantém a consciência.

Este tipo de anestesia é muito usada é usada com grande frequência em procedimentos considerados menos invasivos.

Quando o assunto é anestesia em pequenos animais, a inalatória é considerada a mais segura. Isso, porque tem menos efeitos cumulativos e colaterais, caso haja algum problema durante a cirurgia, é só desligar o gás e a cirurgia é interrompida.

A anestesia injetável tem um efeito mais longo no corpo, o medicamento é aplicado via intramuscular ou intravenosa. E mais, este tipo de anestesia é pouco indicada para pacientes idosos, cardiopatas e que possuem problemas respiratórios. E mais, para todos os pacientes exige cuidados especiais como:

  • Intubação;
  • Monitoramento;
  • Presença de um anestesista;
  • Presença do médico veterinário que fará a cirurgia.

Riscos anestésicos e cuidados pós-cirúrgico

Os riscos anestésicos sempre existem e fazem parte do processo. Neste momento é fundamental que o médico veterinário esteja apto para tomar a decisão certa em situações de emergência.

Em relação aos efeitos da anestesia no pós-cirúrgico, é comum observar no animal comportamentos de tontura e andar cambaleante. Os sinais são ainda mais intensos se estivermos falando da anestesia geral. É importante evitar que o animal faça ingestão de grandes quantidades de alimento. Isso, porque são altas as chances de que ele vomite.

O ideal é aguardar um período de 24 horas para fornecer alimento para o pet. Mesmo após o efeito da anestesia passar podem ocorrer efeitos colaterais. Enquanto isso, o ideal é fornecer bastante água para que o animal se mantenha hidratado.

Viu só como a anestesia em pequenos animais é um assunto sério? Para atender esta significativa parcela de demanda do mundo veterinário é fundamental que o médico veterinário esteja atualizado. Do contrário é sinônimo de perder importantes oportunidades.

Pensando nisso trouxemos uma ótima dica pra você, no curso de anestesia em pequenos animais do nosso parceiro CPT – Presenciais você tem a oportunidade de adquirir na prática todo o conhecimento e segurança que precisa para atuar com sucesso na anestesiologia veterinária. Clique no banner abaixo e confira mais informações!

Fonte: Pet love, Cães e gatos e Vet Quality

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  


Atualizado em: 12 de junho de 2019

Artigos Relacionados com Sem categoria: