Associação que cuida de cães-guias cria asilo para cachorro no Japão

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Na cidade de Sapporo, no Japão, foi criado em 1978 por uma associação que cuida dos cães-guias, um asilo para cuidar dos cães que se aposentam, mais de 200 animais viveram seus últimos anos de vida no local.

Os cães-guias geralmente são aposentados após 12 anos de serviços prestados para pessoas com deficiência visual. A causa da aposentadoria é que os cães perdem suas habilidades físicas. Os cachorros fazem um trabalho magnífico, não apenas aos deficientes visuais, mas nos asilos, em hospitais e em centros de reabilitação.

Nos Estados Unidos, há asilos em que coabitam idosos e animais, e o índice de infecções nesses locais diminuem em 25%. No Brasil, mas especificamente na cidade de São Paulo, um cão chamado Joe Spencer  que faz parte do Projeto AmiCão, de visita monitorada em hospitais. Ele é um charmoso golden retriever, com pouco mais de sete anos. Absolutamente educado, limpo e ama crianças. Além disso, é adestrado e sua saúde é perfeita, com atestado de saúde assinado para quem quiser comprovar.

Uma vez por semana, Joe percorre os hospitais proporcionando momentos de entretenimento e alegria. A terapia com cães já é utilizada há várias décadas nos Estados Unidos, mas só chegou ao Brasil em 1997.  A terapia com a participação de um cão  é um trabalho que busca o bem-estar e o crescimento do ser humano, através das interações homem-animal com inovações nos atendimentos de reabilitação física e saúde mental.

 A terapia é indicada para crianças com atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor, portadores de paralisia cerebral, acidentes vasculares cerebrais (AVC), deficiência visual e auditiva, Síndrome de Down, deficiência mental, psicoses, autismo, depressão, estresse, distúrbios e dificuldades de aprendizado, entre outros.

Joe apresenta todas as qualidades para desempenhar as funções de um cãoterapeuta. Após avaliações com profissionais habilitados (veterinário, adestrador ou tecnicista de animais), o cãoterapeuta é treinado e dessensibilizado por períodos que variam entre 4 meses a 12 meses.

O cão é supervisionado e acompanhado por Médicos Veterinários periodicamente, vacinado e vermifugado, constando certidão de saúde do animal.

O cão de Terapia é um animal dócil, socializado, ou seja, convive com pessoas e animais estranhos e é receptivo a carinhos e afago.

A terapia pode trazer vários benefícios, estudos científicos demonstram que a interação homem-animal no contexto terapêutico proporciona:

– Melhora do sistema imunológico;
– Estimula a interação social;
– Facilita a comunicação e o vinculo com o terapeuta;
– Melhora a autoconfiança;
– Resgata autoestima;
– Melhora a capacidade motora, cognitiva e sensorial;
– Facilita o processo de aprendizagem, através da expressão de sentimentos e motivação.

Além de todos os benefícios aos pacientes, o cachorro ainda alegra o ambiente do hospital. No final, todos se divertem: paciente, familiares, a equipe de saúde do hospital e, é claro, o próprio Joe.

 

Fonte: G1

Adaptação: Revista Veterinária

 

 

 

Conheça o Curso de Nefrologia e Urologia em Pequenos Animais

 

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  


Atualizado em: 31 de agosto de 2012