Fique por dentro dos detalhes da Babesiose Equina

  •   
  •   
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A babesiose equina é causada pela picada do carrapato, o responsável por transmitir a doença aos animais é o protozoário (Babesia Equi e Babesia Caballi).

 A enfermidade, que também é chamada de nutaliose ou piroplasmose equina, tem sua manifestação de 5 a 30 dias.

Por causar queda no desempenho e perda de peso, a babesiose é responsável pelos diversos prejuízos aos criadores. Aliás, os cavalos de competição muitas vezes são impedidos de competir em outros países por conta das restrições impostas por órgãos sanitários.

Sinais da Babesiose Equina

Alguns animais que são acometidos pela patologia apresentam baixas taxas de anticorpos, e em casos mais graves pode inclusive levar o cavalo ao óbito.

Os sinais mais frequentes da doença são:

– Febre;

– Anemia;

– Cansaço;

– Sangue na urina;

– Falta de apetite;

– Incoordenação motora;

– Lacrimejamento;

– Decúbito.

Quando a enfermidade atinge éguas em gestação, causa infecções no útero, abortos ou potros natimortos.

Forma crônica da enfermidade

Alguns cavalos possuem a forma crônica da enfermidade, manifestando seus sinais durante toda sua vida. Além disso, casos crônicos da babesiose tornam-se uma fonte de infecção para os animais sadios.

Sobretudo, o animal que desenvolveu a doença, mesmo que de forma branda, quando é submetido à qualquer situação de estresse como por exemplo, treinamento pesado, atividades em excesso ou viagens, pode voltar a apresentar a doença de forma evidente.

Diagnóstico da babesiose equina

A melhor forma de detectar a babesiose em cavalos é por meio do exame laboratorial, realizado com amostras de sangue do animal. Assim, quando a doença é detectada o tratamento deve ser realizado imediatamente com anti-protozoários e vitaminas do complexo B12, que impulsionam a produção de hemácias.

Se a enfermidade for identificada no início, as chances de salvar a vida do animal são altas. Porém, quando o tratamento demora a acontecer o prognóstico é grave e as expectativas de curas são pequenas.

Dicas de prevenção

A principal forma de prevenção da doença é erradicar seu transmissor, o carrapato. Posteriormente, o proprietário deve ficar atento a qualquer sinal da babesiose equina e principalmente, contar com a ajuda do médico veterinário para realizar consultas regulares em seu rebanho.

Saber socorrer o cavalo em situações graves, como esta, é crucial para preservação de sua vida. Clique no link abaixo e aprenda técnicas infalíveis para bons resultados em todas as situações de emergências relacionadas ao cavalo.

Primeiros Socorros em Equinos

Fonte: Portal do Equino

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •   
  •  

Atualizado em: 14 de agosto de 2018

Artigos Relacionados com Equinos: