Aedes Aegypti também pode infectar cães e até matar

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  

Muitos não sabem, mas além de ameaçar pessoas, o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, do zika vírus e do chikungunya, pode também comprometer a saúde dos animais domésticos. O mosquito é o transmissor da dirofilariose canina.  Basta o vírus entrar no corpo do animal, e cair na corrente sanguínea, para ir para o coração e começar a causar estragos. O parasita se alimenta dos componentes do sangue, nutrientes e proteínas e órgão do animal, que pode chegar a atingir até 20 centímetros de comprimento. Outro fator de risco é o próprio tratamento, considerado perigoso, podendo causar embolia pulmonar no animal, por entupir algum capilar do órgão respiratório e levá-lo á morte.

De acordo com o veterinário André Luís Soares da Fonseca, professor na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), o animal infectado pelo Aedes aegypti chega a abrigar no coração dez larvas ou até mais. Alguns dos sintomas do podem ser constatados por cansaço, dificuldade para correr, tosses e edema pulmonar.

Existem remédios preventivos, segundo o veterinário, que podem ser recomendado aos cães que vivem em áreas endêmicas da dirofilariose. Entretanto, funciona apenas como método preventivo, pois quando a larva cai no sangue do animal, pode ser tarde.

Outra forma de prevenir seria passar um inseticida canino nos pelos dos cães, que seria o mesmo que o repelente para humanos. A eficiência deste produto pode chegar a 98%, com durabilidade da proteção de 30 dias.

Os casos variam de região. O litoral norte de São Paulo, o interior do Estado e o Nordeste do País, por exemplo, são algumas áreas com maior número de incidências no Brasil.

 

Veja os cuidados a serem tomados com o seu cachorro caso ele apresente sinais de infecção e quais as precauções a serem aplicadas. Clique aqui.

Fonte: Gazeta Online

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Artigos Relacionados com Clínica Médica em Pequenos Animais: