O que é a Efusão Pleural em cães e como diagnosticar?

Efusão Pleural em cães

A efusão pleural em cães consiste numa acumulação anormal de líquido na cavidade pleural, gerando uma dificuldade na expansão dos pulmões. O tórax do animal é como uma caixa que abriga o pulmão e coração e está separada do abdômen pelo músculo do diafragma. Não se deve ter líquido livre dentro desta caixa, pois além de impedir o pulmão de se expandir também impede a captação do oxigênio necessário.

O acúmulo anormal de líquido na cavidade torácica pode ocorrer por vários motivos. Normalmente, a efusão pleural é mais causada por motivos secundários do que pela doença pleural primária. Por isso, é importante que o veterinário fique atento ao diagnóstico e saiba indicar o tratamento adequado para o animal. 

Principais sinais da efusão pleural em cães

Como comentado, uma condição de efusão pleural pode estar ligada com alguma outra doença que anteriormente alterou as forças que controlam a formação e absorção do líquido pleural. Alguns possíveis motivos para desencadear a doença são: Alteração nas pressões hidrostática e oncótica e na permeabilidade vascular ou linfática, traumas, problemas na coagulação e erosões em vasos por tumores ou processos infecciosos, infecção do espaço pleural, alterações no fluxo ou na pressão dentro do tórax e alterações ou doenças cardíacas.

A efusão pleural também pode estar relacionada com alguma neoplasia, como o linfoma, por exemplo. Essas situações são capazes de envolver qualquer uma das estruturas intratorácicas, incluindo os pulmões, os tecidos mediastinais, a pleura, o coração e os linfonodos.

Se durante uma consulta o veterinário perceber que um cão está com dificuldade de respirar, ele pode estar diante de um caso de efusão pleural. Quando o estetoscópio é colocado no tórax do animal é possível que não se consiga ouvir o ruído do batimento cardíaco e nem o ruído respiratório.

Importante dizer que os sinais clínicos sempre vão depender da quantidade de líquido acumulado, das suas características e também do processo patológico subjacente do animal. Todavia, os principais sintomas são a dispneia (expiratória ou mista) e respiração curta e superficial. Embora a ortopneia, cianose e intolerância ao exercício também possam ocorrer. 

Diagnóstico da condição em pequenos animais 

Diante de todos estes fatores, o médico veterinário deve realizar um diagnóstico preciso e, em seguida, estar apto a indicar o tratamento ideal. Para identificar de fato esta condição nos cães é necessário fazer um exame físico e complementar. No caso da avaliação de imagem, a radiografia e a ultrassonografia são as mais recomendadas. 

O raio-x é acessível, de execução rápida e de diagnóstico imediato. O líquido acumulado e preenchido no espaço entre os lobos pulmonares é prontamente visualizado, destacando-se pela densidade diferente.

Já a ultrassonografia, é aconselhada para detectar, caracterizar e determinar a etiologia tanto da efusão pleural, como também de doenças mediastinais, pleurais, pulmonares, e avaliação da integridade do diafragma. O exame ainda apresenta três importantes vantagens quando comparado à avaliação radiográfica:

  • Auxilia na distinção entre opacidades pulmonares e pleurais; 
  • Permite a visualização de lesões pulmonares periféricas, inaparentes ou obscurecidas ao exame radiográfico;
  • Avalia comorbidades pulmonares, cardíacas e da cavidade pleural.

Mais do que auxiliar no diagnóstico dessas enfermidades, o método ainda permite guiar a toracocentese, uma das formas de tratamento da efusão pleural. 

Qual o tratamento indicado para os cães?

O tratamento de urgência visa o auxílio do animal quando chega à clínica em estado grave, sendo necessário agir rapidamente para garantir a sobrevivência do animal. Por outro lado, o tratamento etiológico visa tratar a causa primária da efusão, de forma a estabilizar o estado de saúde do animal.

Sendo assim, a toracocentese está entre as opções mais indicadas. A punção tem o objetivo tanto de prover ao animal conforto respiratório (objetivo terapêutico) como de resolver o problema. A técnica consiste em drenar o armazenado e coletar as amostras retidas no tórax para análise.

Vale ressaltar que a efusão pleural em cães é um problema muito sério e que requer técnica para realizar o diagnóstico o quanto antes. Diante disso, aprimore os seus conhecimentos e se torne apto a diagnosticar  esta e outras doenças através da ultrassonografia com o Curso de Ultrassonografia em Pequenos Animais. 

Fontes: Repositório Comum, Pet Care, Shop Veterinário, CRV Imagem.  



Atualizado em: 23 de novembro de 2021

Artigos Relacionados com Pequenos Animais: