Exames veterinários: a importância dos exames pré-operatórios

  •   
  •  
  •  
  •  
  •  

Exames veterinários a importância do pré-operatórioUma coisa é certa, os exames veterinários, principalmente os pré operatórios, são importantes pois as cirurgias em geral, desde as mais simples até as mais complexas, podem oferecer certo risco. Esse risco pode variar com a gravidade da cirurgia, raça, sexo e idade do animal, além de questões de saúde específicas. Isso porque, alguns animais podem possuir alergias e reações diferentes, de acordo com o perfil de cada um e histórico clínico.

Por isso a realização de exames veterinários pré-operatórios, para que seja possível avaliar o paciente, deve ser prática essencial para que o procedimento seja realizado com sucesso. Uma informação importante que vem desses procedimentos, é se o coração do paciente está preparado para as anestesias, por exemplo. Neste caso, o eletrocardiograma e os exames de sangue podem ajudar bastante no conhecimento do médico veterinário acerca do quadro do animal.

Este é apenas um exemplo, sendo que há outros tipos de exames importantes nesta fase, os quais demandam conhecimentos cada vez mais atualizados e alinhados aos avanços destas técnicas. Neste artigo vamos aprofundar um pouco na importância desses procedimentos antes de cirurgias e conhecer os tipos de exames.

Importância dos exames veterinários pré-operatórios

A principal importância da realização de exames veterinários antes de qualquer procedimento cirúrgico no animal, é conhecer suas condições fisiológicas gerais e individuais, bem como seu histórico médico. Apenas de posse dessas informações o veterinário pode conduzir os procedimentos com segurança.

Assim, é por meio dos resultados dos exames que o médico veterinário determina, inclusive, o risco cirúrgico do procedimento para o animal. Dessa forma, ele garante o bem-estar e o risco mínimo do paciente, já que essas informações são consideradas também no procedimento anestésico. Isso porque, alguns quadros de saúde ou doenças cardiorespiratórias vão interferir na escolha da técnica anestésica, podendo comprometer a evolução do paciente.

Vale ressaltar que existem diferentes tipos de exames veterinários pré-operatórios. Diante disso, cabe ao veterinário a decisão de quais serão necessários para cada paciente considerando o tipo de cirurgia, a urgência e o estado de saúde do animal.

Tipos de exames veterinários pré-operatórios

Antes de recomendar quais os exames veterinários necessários, é importante que o médico responsável reconheça que, para o pré-operatório, o conjunto anamnese, exame físico e exames laboratoriais é importante. Somente com esse conjunto de informações o quadro do paciente estará completo e, portanto, a cirurgia pode ocorrer de forma mais segura e embasada.

De modo geral, essas três etapas de exames pré-operatórios são definidas como:

Anamnese

A anamnese é a análise dos fatores intrínsecos do animal que impactam no risco cirúrgico. Ou seja, nesse momento o veterinário reconhece as características do animal e toma conhecimento do seu histórico médico. Os principais fatores observados na anamnese são:

  • Idade;
  • Sexo;
  • Raça;
  • Condições físicas;
  • Histórico de doenças pré-existentes.

Exame físico

No exame físico pré-operatório, o veterinário avalia as condições momentâneas do paciente. Nesse momento é realizada a inspeção, a palpação, a percussão e a auscultação para determinar sinais do corpo do animal que possam ser indicativos de problemas. Os principais pontos de observação nesse exame são:

  • Fácies: tipo de atenção e comportamento do animal;
  • Temperatura retal: reconhecimento da temperatura do corpo do animal;
  • Mucosas: aspecto físico das mucosas do corpo do animal (cor, umidade, se há ou não lesão aparente);
  • Hidratação: reconhecimento do quadro de hidratação do animal. Um animal desidratado sofre, entre outras coisas, com ressecamento das mucosas, aumento da frequência cardíaca e perda de elasticidade da pele;
  • Linfonodos: tais estruturas, quando sofrem aumento de volume, podem indicar inflamação, infecção ou, até, neoplasias;
  • Auscultação cardio-respiratória: avaliação da presença, ou não, de cardiopatias, principalmente por meio de diagnóstico por imagem;
  • Palpação abdominal: condições do abdômen do paciente e se há, ou não, dores nessa região;
  • Tegumento: verificação da presença de dermatites no animal. Em casos positivos, estas devem ser tratadas no período anterior à cirurgia.

Exames laboratoriais

Dentro dos exames veterinários, os exames laboratoriais auxiliam o médico veterinário a determinar as condições internas dos pacientes. Apesar do diagnóstico por imagem, principalmente via ultrassonografia, permitir que o médico observe as estruturas, são os exames laboratoriais que vão demonstrar, de fato, as condições do organismo.

Os principais exames laboratoriais são:

  • Hemograma: usado na detecção de inflamações, infecções, anemias, hemoparasitas e identificação de alterações nas plaquetas e na medula óssea;
  • Exame de urina: recomendado para diagnóstico de diabetes, doenças endócrinas, presença de infecção urinária e exame de atividade renal;
  • Exame coproparasitológico: também conhecido como exame de fezes, é usado na identificação de vermes e protozoários;
  • Análise bioquímica para função renal: esse tipo de exame realiza a análise da atividade e função renal por meio de uma análise sanguínea, considerando níveis de uréia e de creatina;
  • Exames bioquímicos para função hepática: este tipo de exame usa uma amostra sanguínea para detectar doenças no fígado, analisando, principalmente, indicadores como a albumina e outras enzimas;
  • Exames bioquímicos de glicemia de jejum: este exame mostra os níveis sanguíneos de glicose e é utilizado na identificação de diabetes e quadro de estresse em felinos.

Estar preparado é fundamental!

Diante da importância dos exames veterinários pré-operatórios e do quanto suas informações implicam para o sucesso da cirurgia, é importante que os profissionais responsáveis por conduzir o procedimento estejam preparados. Não apenas o veterinário, mas o auxiliar e o anestesista presente precisam conhecer os resultados desses exame para que tudo saia corretamente como programado.

Nesse cenário, é importante nos atentarmos que, cabe ao veterinário determinar os exames a serem feitos de acordo com a cirurgia e quadro do paciente, porém cabe ao anestesista definir a técnica anestésica do procedimento. Assim, seu papel é essencial uma vez que ele precisa conhecer os exames para realizar a escolha correta da técnica e garantir ao cirurgião um paciente preparado para o procedimento.

Dessa forma, além de um profissional desejado pelo mercado, o médico veterinário anestesista está apto para atuar na tomada de decisão da escolha das técnicas, reconhecer os tipos de procedimentos e orientar melhor os tutores.

Já pensou em se aprimorar na anestesiologia veterinária? Clique aqui e saiba como aprender na prática!

Fonte: LadVet e CPT Cursos Presenciais

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  


Atualizado em: 25 de setembro de 2020

Artigos Relacionados com Pequenos Animais: