Sêmen bovino: qual o impacto da qualidade na IATF?

Sêmen bovino: qual o impacto da qualidade na IATF?
Foto: Mateus Pereira/AGECOM

O mercado da pecuária brasileira tem se tornado cada vez mais moderno e competitivo. Tendo esse pensamento em mente, muitos pecuaristas têm investido na aplicação e aprimoramento de determinadas técnicas, utilizadas com o objetivo de alcançar resultados melhores e mais significativos, conferindo atenção especial, também, à procura por um sêmen bovino de qualidade. 

Uma dessas técnicas, por exemplo, é a Inseminação Artificial em Tempo Fixo, a IATF, implantada com o objetivo de alcançar uma maior taxa de natalidade, aumentando a produtividade do rebanho. Assim, a escolha de um sêmen de qualidade é imprescindível para que essa técnica apresente bons resultados. Gostaria de entender mais sobre o assunto? Continue a leitura! 

O que é a IATF? 

A Inseminação Artificial em Tempo Fixo é uma biotécnica utilizada em fazendas onde a inseminação artificial convencional não consegue, sozinha, suprir as necessidades reprodutivas do rebanho. A IATF é um método que consiste na sincronização dos períodos férteis de todas as fêmeas da fazenda, por meio de hormônios similares aos naturais e medicamentos específicos, possibilitando até mesmo a utilização de animais que já se encontravam em anestro. Assim, permite que as fêmeas sejam inseminadas de maneira simultânea, facilitando a monitoração das gestações e dos animais inseminados. Dessa forma, para que essa prática alcance os resultados desejados, é necessária a utilização de sêmen bovino de qualidade, congelado ou resfriado. 

A técnica em questão apresenta diversas vantagens para a eficiência reprodutiva: permite que um maior número de animais emprenhem ao mesmo tempo, favorece um menor intervalo de tempo entre os partos, dispensa o monitoramento dos ciclos estrais das fêmeas e facilita o melhoramento genético do rebanho. Além disso, permite selecionar a época do ano em que os bezerros nascerão, uma época menos favorável ao aparecimento de parasitas e doenças e com maior oferta de pastagens. Contudo, é necessário que os pecuaristas tomem alguns cuidados, como a avaliação das bovinas selecionadas para a inseminação e a qualificação e treinamento da equipe que será responsável pela aplicação da técnica.   

A qualidade do sêmen

A utilização de um sêmen bovino apropriado pode ser o diferencial na obtenção de bons resultados. A determinação da qualidade do sêmen é feita a partir da avaliação de características como motilidade, concentração e proporção dos espermatozoides.  

Quando há a utilização de um sêmen bovino de baixa qualidade, existe a necessidade de compensação de algumas deficiências, o que é uma grande desvantagem ao produtor. Em alguns casos, a competência dos espermatozoides fertilizantes encontrados é muito inferior, e se mostram incapazes de penetrar o óvulo devido a uma possível anormalidade presente em seus acrossomos. O que impede que a situação seja corrigida. Também, devido a essa irregularidade, o sêmen bovino de baixa qualidade requer um volume maior de espermatozoides para que a fertilização seja efetiva. 

Criopreservação do sêmen

O congelamento do sêmen bovino, ou criopreservação, é responsável pela possibilidade de um melhoramento genético das raças, uma vez que permite a utilização do material extraído de animais selecionados. Dessa maneira, se mostra extremamente importante ao mercado pecuarista e deve ser devidamente manuseado.  

O sêmen bovino que é coletado para uso posterior deve ser devidamente armazenado. Assim, o domínio da técnica da criopreservação é de extrema importância para garantir a qualidade do produto. Esse método é realizado por meio de crioprotetores, que atuam permitindo que o sêmen seja estocado em nitrogênio líquido a uma temperatura de -196º C, por longos períodos de tempo. Dessa forma, o material congelado deve ser embalado em palhetas, que serão estocadas em hastes de alumínio. A manipulação desses equipamentos deve ser feita com uma pinça apropriada.  

Outra etapa importante do processo de criopreservação é o manuseio do sêmen bovino congelado. Para que esse material seja utilizado da melhor maneira, o profissional responsável pelo procedimento deve tomar alguns cuidados. 

Primeiramente, é necessário que haja um inventário do estoque, com o intuito de se localizar as palhetas de sêmen de maneira objetiva, diminuindo a exposição do material congelado à temperatura ambiente. Submeter o produto a uma temperatura evidentemente superior à de sua conservação é prejudicial para os espermatozoides, uma vez que podem sofrer alterações irreversíveis, comprometendo suas membranas e sua motilidade. 

O mercado brasileiro de sêmen bovino

É visível e indiscutível que o mercado de sêmen tem crescido de maneira expressiva. De acordo com a Associação Brasileira de Inseminação Artificial (Asbia), a produção nacional de sêmen bovino no ano de 2020 chegou às 14,8 milhões de doses. Essa valorização se dá pelo aumento significativo de investimentos na criação dos animais, visando uma prenhez mais precoce das fêmeas somado ao melhoramento genético. É por isso que os pecuaristas escolhem investir nas condições adequadas para que essa situação se consagre. Dentre as atitudes tomadas com o objetivo de que os animais emprenhem mais cedo, destaca-se a procura por matrizes que favoreçam o melhoramento genético, o que justifica a grande movimentação no comércio de sêmen bovino.

Relacionado a motivo anterior, outra situação que é responsável pelo crescimento do mercado em questão é o aumento do uso de inseminações artificiais na reprodução dos animais. O Brasil lidera a lista de países que fazem uso desse método para a produção de gado de corte e se encontra em uma crescente evolução, o que mostra, mais uma vez, a importância de se adquirir um sêmen bovino de qualidade e que satisfaça as necessidades reprodutivas implementadas. Dessa forma, tanto a IATF quanto a IA convencional trazem benefícios ao rebanho, como a diminuição da transmissão de doenças sexualmente transmissíveis, utilização de touros incapacitados e melhor aproveitamento de espermatozoides, o que justifica sua escolha como técnica mecânica para emprenhar os animais. Dessa forma, sabendo das vantagens desses métodos e tendo em mente que o mercado brasileiro de sêmen bovino tem crescido, é correto dizer que os investimentos na aprimoração da reprodução bovina são necessários

A importância da utilização de um sêmen bovino de qualidade é evidente, e se faz necessária aos que desejam atingir bons resultados. Assim, o uso desse material nas IAs convencionais e na IATF deve ser feito da maneira correta por profissionais selecionados. Também, o sucesso da aplicação desses métodos está diretamente relacionado ao preparo dos profissionais que os realizarão. Quer se especializar nessa área? Conheça o Curso de Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Bovinos! 

Fontes: Globo Rural, Agro Link, Milkpoint, Revista Espacios, Giro do Boi, CPT Cursos Presenciais.



Atualizado em: 11 de agosto de 2021

Artigos Relacionados com Bovinos: